Título da Redação: Segregação sem fronteiras

Proposta: A “Camarotização” da sociedade brasileira: a segregação das classes sociais e a democracia

Redação enviada há quase 3 anos por Gabriel Teles


A Reforma Urbana realizada por Pereira Passos no Rio de Janeiro no início do século XX foi, provavelmente, uma das primeiras manifestações do efeito “camarote” da sociedade brasileira. O cenário do evento incluía, principalmente, a construção de locais espaçosos para o fluxo de indivíduos da elite – o que resultou na derrubada de moradias da população pobre, sobretudo ex-escravos. Atualmente, tal efeito ainda é evidente e precisa ser combatido: é notável a segregação de pessoas de acordo com a sua condição social e financeira, o que fere profundamente o princípio de equidade da democracia.
Talvez, o cenário mais marcante da segregação entre classes sociais é a distribuição física da população de uma cidade. É gritante a diferença entre as moradias de pessoas ricas e pobres, que, geralmente, se limitam aos padrões de vida dos seus bairros. É perceptível que essa lógica se aplica também em outros contextos: festas e estádios de futebol estão entre os cenários clássicos. Entretanto, o maior problema da dita “camarotização” está na sua capacidade de estar além das citadas barreiras físicas.
A transcedência de tais barreiras surge a partir dos princípios básicos do consumismo. Quando o “ter” supera o “ser”, a tendência é que pessoas se distanciem pelo simples fato de ter maior poder aquisitivo e material. Essa nova etapa de “camarotização” provoca a necessidade de consumo em todos os indivíduos - independente de sua classe social – segregando ainda mais aqueles que não têm condições de competir na corrida de consumo. É perceptível, nesse contexto, o caráter anti-democrático da população brasileira.
Portanto, é evidente que a segregação vivenciada no governo de Passos no Rio de Janeiro continua existindo, porém, com a diferença de que hoje existem barreiras que vão além das fronteiras físicas. Para a existência do princípio de equidade concreta, torna-se necessária a ação do governo e de agentes públicos para melhorar as condições, principalmente, das classes mais baixas; para tanto, o investimento em educação é fundamental, visto que esta medida resultaria em um menor distanciamento entre o ensino público e privado e, consequentemente, entre pessoas de classes sociais diferentes.


Deixe seu comentário

  • Campo obrigatório


Comentários enviados

  • Correção Gratuita
    Enviado por Ana Flávia Amorim

    Caro aluno, a frase: “que, geralmente, se limitam aos padrões de vida dos seus bairros.” está sem sentido. Outra coisa, em todo seu texto você utiliza frases ligadas a outra pelo que (ou pelo “o que”) – como essa citada –. Frases assim podem deixar o texto truncado, de difícil entendimento. Tente sempre escrever frases curtas, prefira terminar a frase e começar outra, ok? No segundo parágrafo você apresenta dois argumentos assim: “cenário mais marcante” é a distribuição física; “o maior problema da dita ‘camarotização’”. Bem, primeiro faltou desenvolver melhor os argumentos. Segundo que fica parecendo exagera: um é o mais marcante, o outro é o maior. Tente ser mais objetivo e evitar adjetivos. Terceiro, em uma dissertação argumentativa a organização do texto conta muito. Então tente escolher um argumento por parágrafo e desenvolver muito bem cada um deles. No segundo parágrafo você termina falando de barreiras físicas. No parágrafo seguinte começa assim: “A transcedência de tais barreiras surge a partir dos princípios básicos do consumismo”, afirmando que as barreiras físicas vêm a partir do consumismo. Porém essa ideia não está esclarecida nesse parágrafo. O que são essas barreiras físicas, qual a relação com o consumismo. Explique melhor. Depois você fala de “anti-democrático”, qual a relação entre democracia e consumismo? Em sua proposta, você fala: “o investimento em educação é fundamental, visto que esta medida resultaria em um menor distanciamento entre o ensino público e privado ”. Mas como a educação pode ajudar a diminuir a distância entre o público e privado? Podemos perceber, então, que é preciso melhorar a estrutura da sua redação. você precisa ter um projeto de texto bem estruturado. O primeiro parágrafo deve ser a introdução, na qual você delimita o tema. Os dois parágrafos seguintes deve ser o desenvolvimento, espaço no qual você defende seu ponto de vista com argumentação sólida. E o último parágrafo é a conclusão, em que você apresenta a sua proposta de intervenção. Dessa forma você delimita melhor o que vai falar e o texto se torna mais coerente. Muito cuidado com a escolha dos argumentos, eles devem fazer sentido e ser inquestionáveis. A proposta pode ser melhor desenvolvida. Sempre relacione a proposta com o que foi discutido no texto. Por exemplo, você não tinha falado de educação e colocou na proposta.

Rua 235, Número 294. Setor Leste Universitário. Goiânia/GO. Telefone: (62) 3209 6034

Projeto Redação © 2018 - Orgulhosamente Feito em Goiás