Título da redação:

A natureza hobbesiana

Tema de redação: A “Camarotização” da sociedade brasileira: a segregação das classes sociais e a democracia

Redação enviada em 22/07/2016

"O homem, por natureza, busca ultrapassar os seus semelhantes". Esse foi o brilhante pensamento de Thomas Hobbes em seu livro Leviatã, retratando fielmente os aspectos individualistas que vigoram na sociedade. Atualmente, o fenômeno da "Camarotização" consiste em privilégios para uma determinada classe social, expondo a influência do abismo socioeconômico e a ausência de políticas voltadas à igualdade das massas. Nessa perspectiva, a situação financeira é determinante nesse processo segregacionista. De fato, elementos considerados direitos universais, como educação por exemplo, tornaram-se regalias de certos grupos munidos de uma boa condição econômica. Isso ficou evidente quando o resultado do ENEM 2013 foi divulgado e notificou que os alunos que obtiveram as maiores notas eram da rede privada. Além disso, segundo o Instituto de Pesquisa e Economia Aplicada, 70% dos universitário já estudaram em escolas particulares. Acrescenta-se também que alguns princípios democráticos que visam a igualdade dos indivíduos não são implementados. É indubitável que extinguir a desigualdade por completo é uma tarefa quase impossível. Todavia, um dos pilares da democracia, que é a equidade, relata que deve-se dar a cada um o que é devido ou, no mínimo, garantir que as diferenças não sejam extremas. Entretanto, o Tribunal de Contas da União atribuiu que 64% dos leitos dos hospitais estão ocupados e que a fila do SUS cresce todos os dias. Dessa forma, a saúde também tornou-se um privilégio de certos grupos. Fica claro, portanto, que as diferenças socioeconômica e a carência de medidas que a reduzam impulsionam o problema. Diante disso, as ONGs de proteção aos diretos humanos podem pressionar o poder federal a melhorar gradativamente as condições das regiões mais carentes a priori, como o norte e o nordeste. Para tanto, ele deve atribuir mais recursos para as escolas e hospitais, seja para aumentar os salario dos professores ou reformar as estruturas. Nesse viés, as melhorias contínuas reduziriam as diferenças e os privilégios de algumas classes.