Título da Redação: Cultura segregacionista

Proposta: A “Camarotização” da sociedade brasileira: a segregação das classes sociais e a democracia

Redação enviada há mais de 2 anos por Flávia Coelho


Com o passar dos anos, adquirimos o hábito de segregar com maior frequência; mesmo que involuntariamente, fazemos isso o tempo todo. Houveram épocas nas quais a segregação era racial. Hoje, porém, ela é monetária.
Nos últimos dias, observamos diversas matérias fazendo alusão aos arrastões ocorridos na praias do Rio de Janeiro. Juntamente com o ocorrido, os discursos e comentários nas redes sociais. Há quem, de certa forma, defenda o ato, o que muitos veem como um absurdo. Porém, ao analisar os argumentos utilizados, é perceptível que se trata de mais uma consequência da segregação. Essa divisão espacial e monetária existente, abre brechas para que marginais visem determinado local como fácil para cometer furtos, já que esse é frequentado por quem possui renda elevada.
Outro problema é observado em eventos promovidos, geralmente, em locais fechados. Shows, bailes, jogos de futebol; todos esses apresentam área vip. Quando contestados, os compradores explicam que o motivo pelo qual escolheram pagar mais caro por um local separado é por comodidade e segurança para que possam levar suas famílias sem maiores preocupações. Ensinando aos seus filhos, desde cedo, que é normal separar o "rico", do "pobre".
Tendo em vista essa problemática, há a necessidade de intervenção governamental, para que aumente a burocracia para compras de áreas vip e, juntamente com isso, o incentivo a não segregação nas escolas, com projetos que tenham esse objetivo.


Deixe seu comentário

  • Campo obrigatório


Comentários enviados

  • Correção Gratuita
    Enviado por Wesley Nascimento

    Boa tarde! Tudo joia? Minhas impressões sobre seu texto são as seguintes que merecem destaque: positivamente, o texto se posiciona quanto ao tema, haja visto que a tese proposta é defendida por um ponto de vista claro a respeito da segregação. No entanto, como ponto negativo, há somente um ponto de vista quanto à questão, ou seja, o ponto de vista do lado que segrega, sem ilustração, exemplos etc. por parte do ponto de vista de quem é segregado. E, na intervenção, aparece um paradoxo devido a isso. Se o texto traz um ponto de vista unicamente, o do que segrega, por que a intervenção é contra esse que segrega, haja vista que propõe uma medida que extinga áreas VIP etc.? E como seria essa maior burocracia para a compra de áreas VIP's? Isso resolve o problema da segregação? Ainda existirão áreas VIP's, não? A intervenção deva discutir, assim como o texto, o problema da distribuição de renda no país, o que causa, de fato, a segregação.

Rua 235, Número 294. Setor Leste Universitário. Goiânia/GO. Telefone: (62) 3209 6034

Projeto Redação © 2018 - Orgulhosamente Feito em Goiás