Título da Redação: "A democracia do abada"

Proposta: A “Camarotização” da sociedade brasileira: a segregação das classes sociais e a democracia

Redação enviada há quase 3 anos por Deivid Oliveira


A sociedade brasileira, desde o período colonial sofre de forte segregação social dos mais pobres pelos mais ricos, porém o aumento da violência aliada a péssima qualidade de alguns serviços públicos essenciais são alguns dos motivos que nos últimos anos induziram os mais abastados a segregar os menos possuídos, uma vez que o aumento da violência tem elevado os preços de determinados serviços, da mesma forma a baixa qualidade de serviços públicos essenciais tem estimulado a iniciativa privada a ofertá-los com maior qualidade aos que podem pagar.
Atualmente um dos maiores problemas enfrentados pelos brasileiros é a falta de segurança, por esse motivo algumas empresas tem ofertado serviços diferenciados a pedido dos consumidores endinheirados visando um serviço não só de maior qualidade como também mais caro, visto que poucos podem pagar. Um exemplo desse fenômeno são as festas de rua no período do carnaval onde as camisas para participar dos blocos custam muito caro, portanto apenas aqueles que possuem uma condição financeira melhor aproveitam uma dessas festas que geralmente são realizadas em vias publicas ou seja espaço do qual todos tem direito de ir e vi segundo a Constituição Federal. É por meio de cordas que a segregação ocorre limitando o espaço entre o bloco no centro da via publica e a conhecida pipoca onde os foliões sem condições de comprar o abada, camisa para participar do bloco, se espremem quase na calçada para acompanhar uma festa dita publica.
Pais de 1° mundo não é aquele em que pobre anda de carro e sim o que o rico anda de transporte publico. Frase muito comum na internet de autor desconhecido que sintetiza o mais evidente segregador do Brasil. A oferta de transporte publico não é só insuficiente como também inseguro, desconfortável e não pontual fazendo com que a maioria de seus usuários sejam aqueles que não podem pagar e manter um carro. Outros serviços públicos básicos tais como saúde e educação fundamental, devido a precariedade tem se tornado sinônimos de pobreza.
Existe no pais uma tensão social entre ricos e pobres, apesar disso, podemos por meio de uma educação publica básica de melhor qualidade, no longo prazo diminuir a desigualdade social existente e que é causadora dessa segregação, nesse contexto é valido ressaltar a importância do sistema de cotas em universidades publicas ou no financiamento publico de instituições superiores privadas para os egressos de escolas publicas vindos de famílias de baixa renda num curto prazo diminuirão essa desigualdade, porém o estado deve emprenhar mais investimentos para o ensino publico fundamental e médio de forma a garantir que todos tenham condições e num futuro não precisarmos de cotas para termos uma sociedade mais igualitária.


Deixe seu comentário

  • Campo obrigatório


Comentários enviados

  • Correção Gratuita
    Enviado por Ariana Lobo

    A redação está, em geral, bem escrita e organizada. Falta, entretanto, referências externas (fora da coletânea), como notícias, fatos, opiniões, acontecimentos, etc) que enriquecessem a argumentação ao mesmo tempo em que corroborassem e comprovassem o que é defendido. Isso agrega valor à argumentação e demonstra repertório sociocultural produtivo por parte do candidato. A interdisciplinaridade também é um recurso positivo. A proposta de intervenção é pertinente, embora pouco detalhada. O candidato expõe o que deve ser feito, mas não diz quem deve fazer, de que modo ou como isso ajudaria na resolução do problema, É importante pensar no processo de funcionamento da proposta de intervenção escolhida. Ademais, no que diz respeito ao uso da modalidade escrita padrão da língua há alguns desvios que impossibilitam a nota 5 na competência 1, como de acentuação ("publicas") e pontuação. Seria interessante o candidato trocar a expressão "os menos possuídos", do primeiro parágrafo, por "os que possuem menos".

Rua 235, Número 294. Setor Leste Universitário. Goiânia/GO. Telefone: (62) 3209 6034

Projeto Redação © 2018 - Orgulhosamente Feito em Goiás