Título da redação:

Redação sem título.

Tema de redação: Preservação do Patrimônio Histórico Cultural brasileiro

Redação enviada em 19/03/2019

Entre a transição da corte portuguesa para o Brasil, que marcou o Período Joanino, o rei Dom João VI desenvolveu o palácio real que futuramente daria lugar para o Museu Nacional. Conquanto, a atual conjuntura coercitiva patrimonial fez com o museu sofresse com a adversidade da não preservação que atua por todo território nacional, seja pelo descuido do corpo social com o seu histórico, seja pela falta governamental atuando corretamente em tal perspectiva. Com efeito, a efetiva desconstrução de tal problemática pressupõe reconhecer dos métodos necessários da preservação do patrimônio, sob pena de prejuízo à nação. É indubitável que a virtude do problema coexista devido às questões políticas hodiernas. Com isso, acreditava Aristóteles,por meio de sua obra ''Ética a nicômaco'', que o dever da política é de solucionar qualquer intempérie que atue no campo social.De modo análogo, observa-se que a preservação cultural brasileira, que vem sofrendo por constantes problemas, poderia ser evitada por meio da utilização correta dos meios necessários governamentais.Destarte, sabe-se também que é por meio da conservação do legado de um país que surge o interesse da população com a sobrevivência cultural. Concomitantemente à negligência governamental, impulsiona-se no problema o descanso do tecido social com o seu histórico. Segundo Durkheim, um fato social nasce na sociedade e cria hábitos por meio da exterioridade num grupo social ou num indivíduo.Nesse contexto, percebe-se que a problemática do descanso social encaixa-se na teoria do sociólogo, uma vez que, se um indivíduo for exposto numa campo de convivência que não preserve a sua cultura, este, também, por conta do fato social, tenderá a não preservar tal bem, transgredindo,portanto, para futuras gerações a prática da degenerescência cultural. Em face dessa realidade ativa da baixa mentalidade juntamente ao caráter procrastinador do Governo de solução para o impasse, mudanças urgem serem concretizadas. De inicio, ao Ministério da Economia caberá destinar verbas auto suficiente aos órgãos responsáveis pela administração patrimonial a fim de aumentar os meios de preservação histórica do país.Consequentemente, ao Ministério da Educação caberá instaurar palestras ministradas por historiadores e educadores em locais públicos e educacionais visando reverter o fato social ligado à problemática, desconstruindo antigos dogmas e criando uma mentalidade crítica na sociedade brasileira acerca da preservação do patrimônio cultural nacional