Título da redação:

Redação sem título.

Tema de redação: Preservação do Patrimônio Histórico Cultural brasileiro

Redação enviada em 12/03/2019

A História assume um sentido pragmático na vida humana, sendo assim responsável pela reconstrução do passado cultural do ser humano para melhor entender o seu universo presente. Contudo, a falta de zelo dos governantes brasileiros com o seu patrimônio cultural mais ainda a desvalorização da sociedade com o seu passado, vem apagando sua história e colocando em risco o seu futuro. O incêndio no Museu Nacional em Setembro de 2018, mostra o descaso dos governantes brasileiros com o seu patrimônio histórico. As percas irreparáveis ocorridas com o maior acervo histórico e científico da América Latina, como mobílias históricas, múmias e fósseis que resistiram por mais de doze mil anos enterradas, viraram cinzas devido a falta de organização e a má gestão do patrimônio público. Esse lamentável acontecimento contribui, negativamente, para uma perca de identidade da evolução humana como sociedade e como indivíduo, deixando-se no esquecimento e prejudicando as gerações futuras. No entanto, a desvalorização do passado brasileiro também é refletida do desdém de sua população. Segundo o filósofo e poeta George Santayana, aqueles que não conseguem lembrar o passado estão condenados a repeti-lo, e de fato a população brasileira possuiu o costume de repetir os seus erros por não estudar o seu passado. Os inúmeros casos de corrupções presente desde o período colonial , os preconceitos raciais ainda existente em uma população miscigenada, e os desprezo com o patrimônio histórico-cultural dificultam exigir uma melhor postura de seus governantes. Portanto, medidas são necessárias para resolver o impasse. O Governo deve junto ao Ministério da Economia investir recursos de forma inteligente. Em primeiro lugar, a verba deve ser direcionada na manutenção dos patrimônios históricos já existentes que estão em risco ou que já não recebem obras de manutenção a mais tempo, conservando-os para não ter o risco de perdê-los. Em segundo plano e agora com parceria também com Ministério da Educação deve ser elaborado uma estratégica de incentivo a população para frequentar esses espaços públicos, aumentando o interesse de sua sociedade no estudo da História do Brasil e na preservação de seu patrimônio cultural. Estas estratégicas podem ser desde palestras em escolas e universidades até no transporte com valor reduzido na ida em museus, bibliotecas, entre outros, para a melhor compreensão do seu passado e do seu universo presente.