Título da redação:

O tempo não para

Tema de redação: Preservação do Patrimônio Histórico Cultural brasileiro

Redação enviada em 29/03/2019

"Eu vejo o futuro repetir o passado". Essa frase faz parte da famosa composição "O tempo não para" do cantor Cazuza, entretanto, além do seu sucesso essa frase permite uma reflexão sobre a importância do conhecimento acerca do passado para que não repita-se no presente erros já antigos. Todavia, no cenário hodierno, vê-se que a valorização do passado não é efetiva no Brasil, quando analisa-se a questão da preservação do patrimônio histórico e cultural brasileiro. Nesse sentido, é necessário encontrar subterfúgios para solucionar essa inercial problemática. Cabe pontuar, em primeiro plano, o descaso de autoridades públicas diante do patrimônio histórico e cultural do país, haja vista o pouco investimento do Governo na manutenção de prédios históricos, como casas e museus. Ademais , no ano de 2016, esse fato foi ratificado quando o Museu Nacional pegou fogo no Rio de Janeiro, em decorrência do seu abandono, pois, infelizmente, o museu não recebeu verbas governamentais e estava funcionando através de dinheiro arrecadado pela própria população. Sob esse viés, é imprescindível analisar o pensamento de Carlos Sabbi, que dizia que uma sociedade nunca seria bem sucedida sem o pleno exercício da ética. De forma análoga, uma sociedade em que o Estado não preocupa-se com seu patrimônio histórico, deixando-o em condições precárias, não terá sucesso, já que seu sistema ético precisa ser reavaliado. Faz-se mister, ainda, salientar a importância da educação como base para a formação de uma população mais consciente sobre sua história e a relevância dessa para a construção de uma sociedade melhor. Como disse o filósofo Confúcio " Se queres aprender sobre o futuro, estude o passado", sendo assim, nota-se que a preservação do patrimônio histórico e cultural brasileiro possui função educativa por ser parte da biografia da sociedade, desse modo, estudar o passado fomenta a construção de uma sociedade mais esclarecida, porque possibilita compreender fenômenos ainda presentes na contemporaneidade, como consequência de acontecimentos do passado, como, por exemplo, o preconceito na atualidade, que permanece vivo, infelizmente, como reflexo dos trezentos anos de escravidão vividos no Brasil. Infere-se, portanto, que a preservação do patrimônio histórico e cultural brasileiro deve tornar-se efetivo, uma vez que é essencial para a formação de uma sociedade esclarecida e ética, de modo que através dos seus estudos evite-se no futuro repetir erros do passado. Por isso deverão ser criadas organizações não governamentais cujo objetivo principal será informar a população sobre a importância da cultura e da história para o desenvolvimento do país mediante a realização de palestras informativas. Por sua vez, o governo federal deverá investir recursos financeiros suficientes à manutenção e à segurança dos acervos nacionais, garantindo a preservação deles por intermédio da atuação direta tanto do Ministério quanto das secretarias estaduais de cultura. Por fim, fica claro que somente a união de esforços será capaz de proteger o patrimônio histórico brasileiro de uma tragédia semelhante à que destruiu o Museu Nacional, bem como, dessarte, poderá dizer-se que, no Brasil, constrói-se um país bem sucedido.