Título da redação:

Mudança de hábito

Tema de redação: O desafio da alimentação saudável: luxo para poucos ou hábito acessível?

Redação enviada em 07/02/2017

O país do feijão com arroz já não é tão saudável quanto esses alimentos, quando o assunto é comida. Uma das provas disso é o aumento da obesidade entre os brasileiros, que, segundo o Ministério da Saúde, desde 2011, atinge metade da população. Além da falta de atividade física regular, o brasileiro tem substituído refeições como o tradicional almoço contendo arroz, feijão, salada e carne, por lanches rápidos, os famosos fast food. Mas essa substituição não se deve somente à falta de tempo para preparar uma refeição saudável ou à correria do dia a dia, que impede as pessoas de reservarem algumas horas para se alimentar melhor. Outro argumento utilizado tem sido o preço alto dos alimentos considerados saudáveis, como as frutas, verduras e hortaliças, o que tornaria a alimentação saudável um luxo para poucos. Entretanto, basta ir a um supermercado qualquer para constatar que é possível consumir alimentos que fazem bem à saúde e gastar pouco. Por exemplo, com R$ 14, que é o preço médio de uma lasanha congelada, que serve, no máximo, duas pessoas, é possível comprar uma berinjela, duas abobrinhas, três tomates, duas cebolas, quatro batatas, o que rende uma boa refeição para cerca de três pessoas. Ou seja, comer de maneira saudável é viável e acessível economicamente. O grande problema está na mentalidade das pessoas, influenciada cada vez mais pelo marketing dos alimentos industrializados, que faz com que elas enxerguem na lasanha uma refeição completa, porém, não considerem os vegetais, legumes e as frutas da mesma maneira. Portanto, é necessário que o brasileiro comece a tomar consciência de que precisa mudar seu hábito alimentar. Para isso, o governo, por meio do Ministério da Saúde, pode planejar campanhas publicitárias a fim de conscientizar a população sobre os alimentos saudáveis e o bem que eles podem trazer à saúde quando consumidos. Outra medida seria reduzir os tributos de insumos necessários para o cultivo de frutas e verduras, em especial dos orgânicos, para que se tornem ainda mais baratos e cheguem à mesa dos consumidores de maneira mais fácil. Além disso, o cultivo de hortas nos quintais ou a plantação de hortas comunitárias para quem mora em apartamentos é mais uma opção para que as pessoas consumam alimentos saudáveis. Afinal, se alimentar de modo saudável é uma questão de costume e pode ser acessível a quem tiver disposição para mudar de hábitos alimentares e sociais.