Título da redação:

Mercado de trabalho no Brasil: os desafios do combate ao desemprego

Tema de redação: O cenário do mercado de trabalho no Brasil

Redação enviada em 27/05/2016

No Brasil, muito se tem discutido, nos últimos dois anos, acerca do cenário do mercado de trabalho. Nesse, há existência de processos retrocedentes, onde, infelizmente, todos pagam a conta, sem quaisquer distinção. Mudanças, nas estruturas das políticas fiscais e sociais fazem-se necessárias, a fim de reverter esse quadro devasto. Política fiscal austera. Corrupção sistêmica. Heterogeneidade dos setores empregatícios. Rebaixamento de papéis por agências de classificação de risco e as ineficientes políticas sociais, têm provocado, de forma alarmante, a elevação das taxas de desemprego nas diversas regiões da federação, que segundo o MTPS, existem, hoje, aproximadamente, quinze milhões de desempregados em todo o país. Ademais, observa-se que, o principal responsável por tamanho declínio do setor trabalhista é o governo, haja vista, esse ser o gestor do Estado-nação. Medidas, efetivas e urgentes devem ser adotadas. Em segundo, vê-se, que a corrupção sistêmica, as medidas econômicas, políticas fiscais e sociais são as principais responsáveis pela construção do caminho de retrocesso em que os brasileiros têm percorrido, nos últimos dois anos. Enfim, a má administração do governo, Dilma Rousseff, provocou, forte redução na demanda agregada do país, pois, famílias estão consumindo menos, o governo reduziu gastos - frente ao rombo das contas públicas, que segundo meta fiscal aprovada, prevê-se para este ano, déficit de 170,5 bilhões e quinhentos milhões de reais nas contas públicas. Ambos fatores, contribuíram para forte retração da economia, que posteriormente, ocasionaram a elevação dos níveis de desemprego em todo o Brasil. Decorre, do exposto, a necessidade da adoção de medidas urgentes e efetivas. Nesse âmbito, reconquistar a confiança de investidores, empresas e sociedade em geral é o principal desafio. O Governo Federal deve buscar a implantação de emendas constitucionais, que visem o combate direto e efetivo da corrupção sistêmica, ainda, prevendo o fortalecimento e ampliação da autonomia de órgãos, como o MPF e a PF. Segundo, o Poder Legislativo da União, dos Estados e Municípios devem implementar um teto máximo para seus gastos públicos, de modo que, se evite manobras fiscais por parte de dirigentes governamentais das três esferas do poder. Assim sendo, será possível restabelecer à confiança de investidores, empresas e consumidores, dessa maneira, promovendo novos horizontes de crescimento das taxas de emprego no país.