Título da redação:

Redação sem título.

Tema de redação: Intolerância e discurso de ódio contra minorias

Redação enviada em 31/03/2019

Na Revolução de 1930, com a subida de Getúlio Vargas ao poder, uma geração de pensadores defenderam a ideia de modernizar o país. No entanto, hodiernamente, ao observar que a intolerância e o discurso de ódio contra minorias ainda é uma realidade, depreende-se que esse ideal revolucionário ficou presente somente na teoria. Desse modo, é inevitável afirmar que a base educacional precária e a insuficiência de leis que protejam esses indivíduos agem como predominantes impulsionadores no impasse. É indubitável que a rudimentarização educacional seja um dos principais precursores do aumento contínuo de discriminação contra minorias, haja vista que grande parte desses atos ocorrem ainda na infância, dentro das escolas. Dessa maneira, a população minoritária -desde muito cedo- é submetida a agressões físicas, verbais e psicológicas, ocasionando transtornos mentais que, por sua vez, podem possuir finais trágicos, como no caso da adolescente Dielly Santos, que cometeu suicídio em 2018 após ser vítima de gordofobia. Ademais, cabe salientar que o sistema público de ensino não possui recursos suficientes para proteger essas minorias, que acabam sendo ignoradas pelas autoridades escolares após serem discriminadas. Portanto, é nítido que uma melhor estruturação educacional age como desmistificador dessa inercial problemática. Outrossim, destaca-se a precarização de atributos constitucionais como forte impulsionador da intolerância contra minorias. Segundo a Declaração Universal de Direitos Humanos, o direito de bem-estar social é garantido a todos os indivíduos. Todavia, quando se observa a realidade enfrentada pelas minorias, constata-se a ineficiência dessa declaração, o que acaba - muitas vezes- deixando com que os indivíduos intolerantes e propagadores de ódio fiquem impunes nessas situações. Além disso, é importante evidenciar que o Brasil é o país que mais mata homossexuais no mundo, segundo dados do site El país. Porém, devido à bancada política, religiosa e conservadora, a criminalização da homofobia ainda não é uma realidade no país. Dessa forma, é evidente que a ineficiência constitucional tem grande responsabilidade na perseverança do preconceito com indivíduos minoritários. Destarte, uma mudança nos valores da sociedade é imprescindível para combater a intolerância contra minorias. Por isso, o MEC deve providenciar a criação de projetos, nas instituições de ensino, que visem fomentar sobre assuntos relacionados a homofobia, racismo, machismo e gordofobia, através de palestras e apresentações artísticas ministradas por profissionais de saúde mental que , por meios psicanalíticos, devem orientar os indivíduos sobre como combater e lidar com os preconceitos e enfatizar a ideia de empatia, respeito e resiliência, a fim de que eles possam usufruir dos seus direitos de bem-estar social, alcançando então a modernidade desejada desde a conflagração de 1930.