Título da redação:

Redação sem título.

Tema de redação: A questão do aumento de casos de suicídio no Brasil

Redação enviada em 28/02/2018

Historicamente a atitude da sociedade em relação ao suicídio variou da admiração à hostilidade, punição, irracionalismo e até superstição. No Brasil, desde 1980, segundo o mapa da violência, a taxa de autocídios, aumentou cerca de 60%. E, é indiscutível que umas das principais causas é a falta de diálogo. Nesse sentido, convém analisar as possíveis fenômenos para essa problemática. Em primeiro plano, o relatório para prevenção dessas ocorrências da OMS -Organização Mundial da Saúde-, relata que a autodestruição é umas das maiores causas de mortes, entre adolescentes, principalmente. Outrossim, o assunto como é visto por muitos como tabu ( por medo de julgamentos e/ou vergonha), pode ser entendida como uma falta de debate, como é proposto pelo o filósofo alemão Habermas. Assim como, é alarmante como entidades do ensino não tem debatimentos sobre essa temática tão importante para esse pretexto e é algo que precisa ser explorado. Somado a isso, podemos dizer que a proporção de autoquíria aumenta quando é amplamente divulgado na mídia, conhecido como Efeito “Werther”. Por isso, os Órgãos de Impressa e a OMS tem guias de como não noticiar, como por exemplo, não descrever em muitos detalhes e não apresentar a morte como uma solução. Simultaneamente, como afirmou Habermas: “Uma razão consensual é formada por meio de debates”. Inegavelmente, os familiares poderiam estabelecer uma base para esses indivíduos, em sua formação pessoal e intelectual. Enfim, é necessária uma ação para a conscientização sobre esse assunto. Logo, cabe as instituições de educação comecem a tratar o mesmo de forma responsável e social, visando a sua prevenção. Por meio palestras e debates na forma da razão com seus familiares dentro da sala de aula como evidenciado por Habermas, em parceria de profissionais qualificados. Em uma ação a longo prazo, as mesmas passem a incluir esse tema em sua grade curricular, de modo que o suicídio não mais como um assunto a ser evitado e seja encarado como um problema de saúde que precisa, urgentemente, de reparos. Assim sendo, é possível que esse conjunto de questões, ao menos, seja diminuída ou até mesmo controlada.