Tema de redação
A precarização do patrimônio histórico brasileiro e suas implicações

Textos motivadores

Texto 1

Só 2 de 13 planos de governo para a Presidência citam preservação de museus

A maioria dos planos de governo dos 13 candidatos à Presidência não cita a preservação de museus e patrimônio cultural brasileiro, tema que ganhou destaque devido ao trágico incêndio no Museu Nacional, no Rio de Janeiro, neste domingo.

Este, porém, não foi o primeiro alerta sobre as dificuldades estruturais de museus e acervos públicos. O Museu do Ipiranga, um dos mais importantes de São Paulo, está fechado desde 2013, devido a problemas em sua estrutura. Em 2013, um incêndio consumiu parte do Museu de Ciências Naturais da PUC de Minas Gerais. Em 2015, as chamas destruíram o do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo.

Apenas dois planos de governo falam de preservação de museus: o de Marina Silva (Rede) e o de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) – cuja candidatura foi rejeitada em julgamento do Tribunal Superior Eleitoral realizado na última sexta-feira.

“A política cultural deve (…) garantir a proteção do patrimônio histórico, para as presentes e futuras gerações”, diz o plano de governo de Marina. “Nos comprometemos a oferecer condições de funcionamento a museus, arquivos e bibliotecas; valorizar os registros escritos, sonoros e visuais de tradições orais e da produção contemporânea.”

Fonte: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-45400684

 

Texto 2

A tragédia do incêndio no Museu Nacional não é inédita na história do Brasil. Outros incêndios em instituições científicas já haviam causado dano ao avanço do conhecimento no país. Relembre:

Museu da Língua Portuguesa: Em 21 de dezembro de 2015, atingiu principalmente a torre do museu, instalado no prédio da Estação da Luz. Deixou uma vítima e, além de destruir parcialmente o imóvel, consumiu todo seu acervo, em sua maioria, digital.

Memorial da América Latina: Destruiu em 29 de novembro de 2013 os interiores do auditório Simón Bolívar, parte integrante do complexo do Memorial da América Latina, deixando 11 bombeiros feridos. Além do prédio, a principal obra atingida foi uma tapeçaria da artista Tomie Ohtake que recobria inteiramente uma de suas paredes.

Instituto Butantã: Em 15 de maio de 2010, destruiu um dos maiores acervos vivos de cobras tropicais do mundo, estimado em 80 mil exemplares, além de milhares de aranhas e escorpiões.

Museu de Arte Moderna do Rio: Em 8 de julho de 1978, destruiu quase todo o acervo, incluindo obras de Picasso e Dali, além de todos os volumes da biblioteca de artes visuais. O prejuízo foi avaliado recentemente em R$ 60 milhões.

Texto 3

O abandono de prédios tombados pela União, estado e municípios, ou de valor histórico, embora não reconhecido pelos órgãos de proteção, é um dos pontos nevrálgicos do patrimônio cultural. Essa triste realidade lidera a lista de investigações do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), que concluiu levantamento sobre indicadores da situação extrajudicial em 255 comarcas mineiras. Destacando que 86% das promotorias de Justiça no estado (dados de 2014) atuam na defesa do patrimônio cultural, o titular da Coordenadoria das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico (CPPC/MPMG), Marcos Paulo de Souza Miranda, estima em 25% o percentual de procedimentos relacionados exclusivamente à degradação de igrejas, capelas, casarões, prédios públicos e outros monumentos.

fonte: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2015/03/16/interna_gerais,627904/abandono-e-o-maior-problema.shtml

Texto 4

???????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

Redações de exemplo sobre o tema A precarização do patrimônio histórico brasileiro e suas implicações

Leia as redações já enviadas para este tema.