Título da redação:

Estranhamento ou aversão? A intolerância ao credo do semelhante.

Tema de redação: A intolerância religiosa no Brasil

Redação enviada em 09/05/2015

O Brasil é um país constituído pelas mais diversas conformações étnicas, um verdadeiro mosaico de culturas. Diante disso é observável um grande número de crenças dividindo o mesmo espaço, convivendo no que deveria ser um respeito mútuo, que infelizmente não existe. Nada mais justo que um país com tantos credos e raízes estruturais, se defina laico perante a constituição. Logo, presume-se que a lei seja cumprida, não cabe ao Estado olhar de forma desigual para nenhuma religião em especial e sim resguardar os direitos de todos de forma igualitária, incluindo aqueles que optam por não seguir religião alguma. É característico de grande parcela da humanidade olhar com maus olhos aquilo que lhe é estranho, não seria diferente com as religiões, mas o preocupante é a intolerância, a aversão e não o estranhamento. Para o cristão, por exemplo, o politeísmo é visto como uma blasfêmia perante ao seu Deus único. Mas ninguém pode dizer que nenhum dos lados estão errados, que a certeza absoluta habita no discurso de alguma parte, ou que não haver deus, Deus ou deuses nenhum, é uma verdade que deve ser abraçada como universal. O que precisa, sem dúvida alguma, é que os brasileiros comunguem da ideia de que respeitar o credo religioso do semelhante está dentro dos preceitos do qual qualquer religião se fundamenta, o amor ao próximo. E para aqueles que não seguem religião alguma, o fundamento está intrínseco simplesmente a ética cidadã. Com base nos fatos aqui apresentados, leis que resguardam a liberdade de culto religioso em um país tão miscigenado, já configura um avanço notável. O respeito parte daqueles que aprenderam a colocar em prática o sentido da palavra e nisso a educação é imprescindível. A tolerância ao próximo deve ser divulgada aos mais jovens desde cedo, e aos que ferem a constituição cabe ao Estado a punição. A liberdade de culto, sem repressão, é uma das formas de assegurar a democracia para todos os cidadãos.