Título da Redação: O triste fim de Montgomery

Proposta: A “Camarotização” da sociedade brasileira: a segregação das classes sociais e a democracia

Redação enviada há quase 3 anos por Ahr Nould CHuá zé né Gué


Rosa Parks já denunciava nos EUA a segregação ao ser obrigada por lei a dar seu assento no ônibus para um homem branco e de maior poder aquisitivo. Passado este episódio, conhecido como Bloqueio ao ônibus de Montgomery, em que os negros e mais pobres se recusaram a utilizar os transportes públicos para evidenciar sua parcela de importância na sociedade, o Brasil demonstra que vive um semelhante processo ao separar explicitamente a convivência entre pobres e ricos.
Tal processo de separação tem como causa o modelo econômico capitalista em seu mais alto nível. A enorme diferença de classes sociais brasileiras estimulam também a oferta de produtos e serviços diferenciado em termos de qualidade e de valor, gerando assim uma certa nódoa, em que ricos e pobres são distinguidos pelo local onde andam bem como suas roupas utilizadas.
Mas, ainda que este sistema vivido pelas sociedades fosse perfeito, é notório lembrar que os serviços públicos no país geram grande segregação. As instituições públicas, como escola, hospital e transporte demonstram-se cada vez mais decadentes em sua qualidade onde os mais abastados são induzidos a contratar serviços privados, que gera, assim, uma evidente concepção de que os pobres são aqueles que dependem exclusivamente do aparato governamental.
Porém, esta divisão não se restringe só ao plano econômico, mas também democrático e na identidade da população como um todo. Em uma sociedade de aparências, onde para se caracterizar como rico as pessoas se desvinculam de produtos e costumes considerados de classes mais baixas, movimentos denominados como rolezinhos denunciam o apartheid social, que é evidenciado com a repressão da segurança e até com o fechamento de estabelecimentos.
Logo, torna-se evidente um processo de isolamento que tende a perpetuar-se. É necessário, portanto, que o governo restaure os locais e bens públicos que, em parceria com ONG's e os cidadãos reconheçam a importância destes lugares como identidade comum a todas as pessoas. Rosa Parks agradeceria pelo fim do caso de Montgomery.


Deixe seu comentário

  • Campo obrigatório


Comentários enviados

  • Correção Gratuita
    Enviado por Ariana Lobo

    A redação possui argumentação muito consistente, e o candidato demonstra ótimo domínio da língua padrão (devendo atentar-se, basicamente para alguns desvios de concordância) e do tipo textual dissertativo-argumentativo. O candidato demonstra conhecimento extra de mundo. Iniciar e finalizar o texto comentando sobre o mesmo assunto (o caso Montgomery) faz com que o texto fique bem "amarrado". Atenção, entretanto, à proposta de intervenção, que precisa ser detalhada e bem explicada. O candidato sugere a restauração de locais e bem públicos (de que modo isso ajudaria? quais são esses locais?), e sugere também que o governo, ongs e cidadãos "reconheçam" a importância de tais lugares. Mas o que "reconhecer" significa? Que tipo de ações pragmáticas serviriam para que se desse tal reconhecimento?

  • Enviado por Ahr Nould CHuá zé né Gué

    Espero que analisem minha redação, bem como deem críticas construtivas em relação a mesma. Fiz visando o modelo requerido pelo ENEM, então gostaria também que me dessem uma possível estimativa de nota. ;) Obrigado e boa redação a todos!

Rua 235, Número 294. Setor Leste Universitário. Goiânia/GO. Telefone: (62) 3209 6034

Projeto Redação © 2018 - Orgulhosamente Feito em Goiás