Título da Redação: Limite na socialização

Proposta: A “Camarotização” da sociedade brasileira: a segregação das classes sociais e a democracia

Redação enviada há quase 3 anos por Isadora Ribeiro


Antes do arcadismo, a sociedade era marcada pela distinção de classes. A nobreza com a sua vida luxuosa julgava-se importante demais para conviver em sociedade. Com a vinda desse estilo de época passou-se a valorizar mais a vida simples e bucólica porém, atualmente percebe-se que tal conceito já não é mais seguido visto que cada vez mais presenciamos os limites impostos entre as relações sociais.
Hoje observamos uma série de tentativas do ser se sobressair na sociedade.Tal fato chega a ser tão intenso que acabamos acolhendo o conceito de Durkheim o qual diz que o homem é corrompido pelo ambiente , afinal, com a camarotização,
demonstramos sentimentos preconceituosos e racistas com as pessoas julgando o local. Um exemplo disso é o fato da compra de ingressos "vip" em eventos, os quais não trazem nenhum tipo de benefício ao participante a não ser o tão estimado camarote.
Sabe-se que os atendimentos oferecidos pelas redes públicas, principalmente na saúde e na educação, são bastante precários. Por esse motivo tantas pessoas optam pelas redes privadas. O lado negativo disso apresenta-se na convivência cotidiana e no comprometimento da democracia, pois ela se limita em indivíduos de mesma classe social e gera ainda sentimentos preconceituosos e racistas.
Sabendo dos limites da camarotização, faz-se necessário dos cidadãos um maior entusiasmo e curiosidade de se conviver com pessoas distintas, seja na escola, em eventos ou até mesmo no hospital. Además, é de se esperar uma maior itensificação em melhorias as redes públicas garantindo a socialização e a melhoria de vida geral no país. Somente assim, voltaremos ao tempo o qual o operário e o empresário sentavam-se lado a lado no estádio.


Deixe seu comentário

  • Campo obrigatório


Comentários enviados

  • Correção Gratuita
    Enviado por Ariana Lobo

    A introdução passa a impressão de estar incompleta, por não situar o leito de modo satisfatório em relação ao tema que será discutido. A argumentação é válida, embora pouco aprofundada. A proposta de intervenção sugere "um maior entusiasmo e curiosidade de se conviver com pessoas distintas", mas o que isso significa em termos de ações práticas? Como essa curiosidade seria criada? Por quem? Por quais meios?

Rua 235, Número 294. Setor Leste Universitário. Goiânia/GO. Telefone: (62) 3209 6034

Projeto Redação © 2018 - Orgulhosamente Feito em Goiás