Título da Redação: A segregação social histórica brasileira.

Proposta: A “Camarotização” da sociedade brasileira: a segregação das classes sociais e a democracia

Redação enviada há cerca de 3 anos por Anthony Laurentino


Em 1808 quando o colonia brasileira recebeu a coroa portuguesa que fugia estrategicamente das tropas de Napoleão Bonaparte, trouxe com ela uma divisão social bem demarcada, sendo possível notar pela leitura do livro “1808 – Laurentino Gomes”. A camorotização foi implantada desde o incio dos tempos no Brasil, marcando assim uma tradição desgostosa ao ver da sociedade atual.
Através da colonização os Brasil ficou dividido por exploradores, e escravos ( negros ou índios), um traço trágico na historia, que deixou uma marca onde a elite do país fica sobreposta aos menos favorecidos. Apesar que durante um período essa separação entre ricos e menos favorecidos tenha se extinguido, hoje esse é um marco social que foi implantado culturalmente e até então continua firme.
A segregação de ricos e pobres esta cada dia mais evidente, por mais que o numero de pessoas abaixo da linha da pobreza tenha reduzindo de maneira expressiva nos últimos anos. Para a sociologia a estruturação da sociedade é composta por classes, e por tradição e cultura a classe “A” tende não querer misturar-se as demais classes, isso fica claro nos tipos de serviços e locais oferecidos á cada uma das classes. Um tabu social foi implantado no país, que apesar de toda a modernização continua marcando a sociedade brasileira. O fato democrático da segregação das classes sociais fica a desejar, pois a distribuição monetária por regiões e per capita é de tamanha desigualdade que o sistema democrático se torna falho e tende a favorecer aos mais favorecidos.
Portando, a “camarotização” da sociedade brasileira: Segregação das classes sociais e a democratização, foram fatos implantados de maneira evasiva na cultura brasileira desde a colonização, trazendo consigo a lacuna democrática a favor dos mais favorecidos. Segundo uma fala do ex presidente da republica Luiz Inácio “O povo quer mais ética”, está frase aplica-se na conjuntura democrática do país que também envolve a questão de divisão social. Para que este problema seja escasso é necessário uma aplicação de uma nova ética politica que visa favorecer, atender e integrar todas as classes com projetos que façam a união entre elas para que o tabu da divisão de classes seja quebrados.


Deixe seu comentário

  • Campo obrigatório


Comentários enviados

  • Correção Gratuita
    Enviado por Ariana Lobo

    O texto é muito bem construído e articulado. A contextualização histórica do problema é pertinente e bem explorada. O candidato demonstra domínio da modalidade escrita padrão da língua portuguesa e da tipologia textual requerida. Entretanto, a proposta de intervenção está vaga. Sugere-se a "aplicação de uma nova ética politica que visa favorecer, atender e integrar todas as classes com projetos que façam a união entre elas para que o tabu da divisão de classes seja quebrados", mas o que isso significa na prática? Que projetos seriam esses? Quem criaria? Quem colocaria em prática? Como seria feito? Qual o papel de outras áreas da sociedade (escola, igreja, família, ongs, etc) na resolução do problema?

Rua 235, Número 294. Setor Leste Universitário. Goiânia/GO. Telefone: (62) 3209 6034

Projeto Redação © 2018 - Orgulhosamente Feito em Goiás